quinta-feira, 17 de janeiro de 2013

Sobre Madeiras de Lei, Canoas e Surf

Texto Madeira & Água publicado em: Waves, Surfari, Surfguru
 

Resumindo, quando me meti a construir uma prancha de surf de madeira, descobri o universo perdido das canoas e das madeiras de lei. Além de histórias interessantes, acabei conhecendo algumas dicas sobre as madeiras brasileiras boas para canoa ou pranchas.

Canoa de um pau, shape mais básico do que este é o das pranchas de surf alaias.
A motivação de construir uma alaia vem de infância, umas paixões mal resolvidas, igual daquelas que não subiram a serra depois das férias. Neste caso especifico não se trata de uma menina, mas das “canoas-caiçara” do litoral paulista. Conhecidas como “canoas de um pau”, são uma das embarcações mais simples que tem, um casco esculpido em um único tronco. Invenção dos índios, apropriada pelos portugueses e depois caiçaras, significam a liberdade de qualquer menino (índio, caiçara ou veranista), sair flutuando, explorando, pescando ou descendo as ondas do canal. Fazer uma prancha de madeira e cair no mar com ela, me remete aquela sensação primitiva, essencial, de liberdade.

Na Papua Nova Guiné ainda se surfa como no antigo Havaí 
Logo, perguntei ao oráculo se existe alguma lista de madeiras brasileiras para uso náutico e a resposta da pesquisa veio me intrigar: “madeiras de lei”. Mas qual a relação com as madeiras mais ameaçadas e caras do mercado? Estas nobres recebem o nome de madeiras de lei, por suas propriedades náuticas!

Ribeira das Naus: tem madeira nossa aí.
A partir do século XVI, a coroa portuguesa passou a proteger algumas arvores brasileiras boas para construir embarcações, para uso exclusivo dos carpinteiros da “Ribeira das Naus”. Este era o grande estaleiro português, responsável pela construção das naus que desbravaram praticamente todos os mares. Lembrando que até meados do século XIX as embarcações de madeira eram estratégicas para qualquer país, visto que todo o transporte de pessoas, cargas ou mercadorias era marítimo ou fluvial.

Madeira de Lei, madeira nobre, madeira de mar.
A seleta lista de madeiras de lei era baseada na resistência à água e à maresia, assim como a estabilidade, facilidade de se trabalhar e durabilidade. Naquela época, as madeiras eram classificadas pelos usos que favoreciam, do tipo: Peroba, “boa para construção de quilhas e roda de proa”, Braúna, “forração de casco e convés”, Freijó, “quilhas e vigas”, Ipê “cascos, cavilhas, cunhas, e outras partes molhadas”, e por aí vai.
Aqui eu respondo o motivo destas madeiras serem caras e cada vez mais raras. Muito além das qualidades navais, a beleza das madeiras protegidas deixou-as vulneráveis a todo tipo de construção civil. Enquanto na Europa a madeira era apenas peça da estrutura dos edifícios, no Brasil a madeira também era parte da arquitetura, feita para embelezar, usada na estrutura, portas, janelas, pisos, acabamentos e armários. Assim, não adiantou decretos e ordenações do rei para proteção das arvores, elas foram usadas à quase extinção de espécies.

Releitura das pranchas alaias, ancestrais do surf
No entanto, para a construção das pranchas de madeira ancestrais, como as usadas no Havaí a centenas de anos, e outras versões adaptadas até os anos 50 nos EUA, variavam o peso, entre 40 kg e mais de 100 kg, dependendo do modelo e técnica de construção. Atualmente, as pranchas de surf de madeira são releitura das antigas alaias ou hollow boards (pranchas ocas), muito mais leves e com designs funcionais, pesam normalmente entre 3 kg e 20 kg. Neste quisito, as madeiras brasileiras adequadas para a construção naval possuem uma característica bastante seletiva para construção de pranchas: o peso. Madeira boa para água costuma ser densa e pesada, e por isso são impermeáveis e resistentes.
Levantando em conta uma lista com mais de 60 espécies de madeira de lei¹, talvez uma ou duas tenham leveza e flutuabilidade suficiente para estes fins. O intrigante é que são justamente aquelas usadas para construir pequenas canoas caiçaras, para uma ou duas pessoas, justamente por ser leve e mais fácil de remar. E então as paixões se unem, prancha e canoa levam a mesma carne, irmãs com shapes diferentes.
Cedro - Uma madeira unanime é o cedro vermelho, ou cedro rosa, cedro cru, redceder e cedre acajou. Pode ser considerada uma das madeiras mais importantes do país, unindo leveza, resistência à água, estável, fácil de trabalhar, bonita e ainda encontrada com relativa “abundância”. Mas veja bem, não confunda com o cedrinho,    madeira pouco mais pesada e e menos resistente com a umidade. 
Araucária e Vinhático - Outras opções “nobres” talvez sejam o vinhático e a araucária, são leves e resistentes à água. Mas estes são mais difíceis de encontrar, caros,  protegidos por lei. Evite, as matas agradecem.
Guapuruvu – Outra opção é o guapuruvu, arvore de crescimento rápido, não é nobre (isto é, não é tão bonita ou resistente), mas é usada para fazer canoas.
Estas são opções de madeira que não necessitam tratamentos com resina ou conservantes, bastando uma manutenção com óleo ou cera.
Outras madeiras e novas técnicas - Existem outras madeiras menos resistentes, como a caixeta e o agave. Estes casos são ideais para pranchas tratadas com resina epóxi, como o caso das técnicas de construção das hollow boards e pranchinhas convencionais de poliuretano.
Caixeta - Das brasileiras, a caixeta é leve, relativamente barata no mercado. No entanto, use com moderação, outra espécie em extinção, e não aguenta bem a umidade, precisa de glass, isto é, tratamento com resina. Evite.
As exóticas - Existem também as arvores exóticas, trazidas para servir a outros fins. Vou destacar duas alternativas muito boas para fazer prancha de surf.
Paulownia – Uma arvore da Ásia, levada para a Austrália e lá descoberta por um famoso shaper de pranchas alaias. Esta madeira é um grande trunfo das modernas pranchas alaias. Boa flutuabilidade e excelente resistência a água. Difícil é encontrar no Brasil, mas já tem gente plantando, pois faz concorrência com outras madeiras de lei (vai bem com água, já viu)!
Agave – Talvez seja a melhor opção hoje para construir uma prancha de surf. Quase tão leve quanto à balsa, é excelente para surfar, mas deve ser construída na técnica das pranchas de surf modernas, com glass de resina epoxy.  A dificuldade é para encontrar o agave no mercado convencional, mas volte e meia tem um aí dando moleza nas praças e quintais de vizinhos distraídos. O agave é planta exótica, trazida para jardinagem e para produção da palha de sisal. Se não é nativo das nossas matas, não é protegido, pode usar sem dó.

Em Portugal, Miguel Aragão exibe suas pranchas com bloco de agave

Mais informações sobre o assunto, veja o post Madeiras para Construção de Pranchas de Surf

¹ Para conhecer a propriedades de algumas madeiras de lei acesse: http://www.monumenta.gov.br/upload/Caderno%20Madeiraweb_1173383037.pdf

Comentários
2 Comentários

2 comentários:

  1. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  2. Boa noite Guilherme,

    Estou pesquisando sobre essas madeiras e seu artigo é muito interessante.
    Mas gostaria de tirar uma dúvida com você, se não for incômodo.
    Você menciona o Cerdo Rosa como sendo o mesmo "Red Cedar" do hemisfério norte e minha pesquisa mostrou ue são duas coisas bem diferentes.
    a brasileira tem o nome científico de "Cedrella" e a do hemisfério norte tem o nome de "Thuja plicata"
    Pergunto a você que já está nessa onda de surfar com madeiras ha mais tempo.
    Essas madeiras tem características parecidas?
    Até agora não consegui informações mais concretas.

    obrigado e um abraço
    Lucio L. Freitas
    lucio.larangeira@gmail.com

    ResponderExcluir